Presidente Amilton Filho aponta problemas na BR-153 e cobra intervenção da ANTT

por Fernanda Morais publicado 12/06/2018 16h26, última modificação 12/06/2018 16h26
Presidente Amilton Filho aponta problemas na BR-153 e cobra intervenção da ANTT

Presidente Amilton Filho aponta problemas na BR-153 e cobra intervenção da ANTT

Foto: Ismael Vieira

O presidente da Câmara Municipal, Amilton Filho (SD) disse vai encaminhar um documento para Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) solicitando que o órgão do Governo Federal cobre investimentos da Concessionária Triunfo/Concebra, que garantam segurança na BR-153 perímetro urbano de Anápolis.

“Quando a empresa ganhou a concessão da rodovia estavam previstas intervenções que ainda não foram realizadas. Peço que os colegas assinem esse documento que enviaremos para ANTT para que a agência tome as devidas providências”, esclareceu.

O presidente da Câmara apontou a necessidade de se construir uma passarela para travessia de pedestres nas proximidades do antigo posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), próximo aos Bairros SummerVille e Santo Antônio.

“Muitas crianças cruzam a pista para chegar até a escola. Adultos também passam muito por ali para ter acesso a unidade de saúde que fica do lado de cima da rodovia. O risco de acidentes é muito grande. E estamos vendo que as mortes no perímetro urbano das rodovias que passam por Anápolis estão acontecendo. Em uma semana foram três óbitos”, lamentou.

Outra observação do presidente da Câmara Municipal é a necessidade de se construir uma trincheira na BR-153 na entrada para a Avenida Pedro Ludovico. Uma das vias mais movimentadas da cidade que liga vários bairros do município a rodovia. “É mais uma saída da cidade que tem problema de falta de segurança no trânsito. Fui informado que nesse local, tirando o perímetro urbano de Goiânia e Aparecida de Goiânia, é o ponto da BR-153 que acontece mais acidentes. A responsabilidade ali é da Triunfo/Concebra”, frisou.

O vereador reforçou ainda que a concessionária ganhou o direito de explorar 400 quilômetros da BR-153 por onde foram colocados suas barreiras de cobrança de pedágio. Para Amilton, o negócio é lucrativo, mas a empresa tem a obrigação de devolver parte dos lucros melhorando o tráfego na rodovia.

“O negócio é rentável. Claro que o foco da iniciativa privada é arrecadar. Porém existem as obrigações e uma delas é oferecer segurança aos usuários. Vamos cobrar que a ANTT tome providências porque ela é responsável por fiscalizar as empresas que exploram as rodovias brasileiras. Peço que os colegas estejam comigo nessa solicitação porque temos que trazer respostas para população”, finalizou.