Lisieux Borges cobra da FIEG mais atenção ao desenvolvimento de Anápolis

por Da Assessoria — publicado 12/04/2019 21h03, última modificação 12/04/2019 21h03
Lisieux Borges cobra da FIEG mais atenção ao desenvolvimento de Anápolis

Lisieux Borges cobra da FIEG mais atenção ao desenvolvimento de Anápolis

O Vereador Lisieux José Borges levantou questões importantes em relação ao tratamento que a FIEG vem dispensando a Anápolis, e mais especificamente ao Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia), durante visita do presidente da entidade, Sandro Mabel, à sessão ordinária da Câmara Municipal, na última quarta feira (10). Lisieux levantou problemas na área da geração de energia, ocupação de áreas, manutenção do local, entre outras questões, na esperança de que possam ser resolvidas com intervenções objetivas e urgentes, tendo em vista o desenvolvimento de Anápolis. 

Segundo o vereador, empresas que se instalam no Daia têm que contratar gerador de energia por conta própria para produzir, o que vem desestimulando empresários a investirem no local, corroborando com a sua estagnação. Diante do crescimento da economia da cidade, que foi de mais de 400% entre 2005 e 2011, Lisieux afirma que é preocupante a falta de incentivo para a região industrial. 

Outras questões importantes levantadas pelo vereador foram as imensas áreas desocupadas e outras ocupadas com prédios abandonados, além da Plataforma Logística sem uso e empresas comprando áreas adjacentes ao Distrito a preço de ouro ou até mesmo desistindo de instalar em nossa cidade. Para o vereador, a Codego, aparentemente sem o menor interesse em promover o Daia, abandonou inclusive sua manutenção deixando o local em péssimas condições de asfalto, capina e iluminação. 

O vereador se referiu também à questão da exportação da soja in natura, citando a Lei Kandir existente há 22 anos e que isenta do pagamento de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) as exportações de produtos primários e semi-elaborados ou serviços. Chamou atenção para o fato de que se trata de uma questão Federal. Lisieux citou também a construção do viaduto que embora tenha sido uma boa iniciativa e também muito esperada, poderia ser mais bem estruturado disponibilizando as alças de conversão.